6 casos bizarros encontrados nas profundezas da DEEP WEB (+18)

 

 

Muito se fala mas pouco se sabe. A deep web é um local cheio de segredos, das quais muitos tentam ignorar, mas o que vemos lá, por vezes é algo quase inumano.
Mas afinal de contas, o que é DEEP WEB?



Deep Web é o nome dado para uma zona da internet que não pode ser detectada facilmente pelos tradicionais motores de busca, garantindo privacidade e anonimato para os seus navegantes. É formada por um conjunto de sites, fóruns e comunidades que costumam debater temas de caráter ilegal e imoral.



Acompanhem agora 6 casos no mínimo BIZARROS que achei na internet:

 

Vídeos Snuffs

Vídeos Snuffs é o termo utilizado para à filmagens de assassinatos, onde em homicídios pré-meditados, o assassino filma o seu crime. Para além disso, tratam-se de atos de extrema brutalidade e violência. Este tipo de filme aparece com uma frequência assustadora na Deep Web. Um exemplo de vídeo, remonta o ano de 2007 e intitulado “3 Guys and 1 hammer” e que acabou for “flutuar” até à Surface Web. Nesse vídeo Viktor Sayenko e Igor Suprunyuck, durante cerca de sete minutos inferem repetidas marteladas na cabeça de um idoso, e que posteriormente perfuram com uma chave de fenda. Os dois foram capturados e condenados à prisão perpetua em 2009.

Existem vários vídeos deste tipo, como por exemplo mulheres que são escalpadas e despedaçadas ainda vivas enquanto mantém atividade sexual com um dos protagonistas.

 

Pedofilia

 

Redes enormes e obscuras atuam na Deep Web e podem aparecer links para sites onde estão disponibilizados vídeos e fotografias chocantes onde atos sexuais da maior bizarrice são praticados. Quem navega neste lado da Internet terá de ter muito cuidado e atenção para não se deparar com este tipo de imagens ou vídeos, são vários os casos onde pessoas que por infelicidade vêem este tipo de conteúdo e têm se ser seguidas por psicólogos. Alguns deles referem ainda que “são imagens que, mesmo que percamos a memória, nunca nos sairão da cabeça…”. Contudo, existem pessoas que reúnem esforços numa tentativa de apanha e condenar estes criminosos, contudo é uma tarefa árdua e quase sempre sem resultados…

 

 

 

 

Experiência científicas em Humanos

A DeepWeb vem provar que “Centopeia Humana” (para muitos, um dos filmes mais perturbantes já alguma vez criado) comparado com experiências feitas na realidade por grupos de lunáticos é como se de um filme de desenhos animados se tratasse. Nos becos escuros das camadas mais pesadas, existem fóruns de compartilhamento de documentos e imagens sobre experiências realizados com humanos, dos mais variados tipos. A maioria delas sem qualquer sentido, como emparedar humanos com besouros-tigres e constatar quantos dias eles resistem ou substituir as pernas dos humanos por patas de cabras.

A maioria desses sites descobertos, geralmente por hackers do bem que tentam acabar, ainda que ineficientemente, com essa escória que infesta a Deep Web; alegavam que somente utilizavam mendigos como cobaias, como se isso diminuísse a culpa ou a atrocidade cometida. Os responsáveis são grupos ou mesmo pessoas ligadas à Ciência, como médicos, químicos e biólogos, que agem separadamente e se reúnem nesses fóruns secretos.

 

Fóruns de Canibalismo

Em 2003, um caso chocou a Alemanha e foi notícia no mundo todo. Um canibal confessou em um tribunal ter matado e comido uma pessoa a pedido da própria vítima. O “Canibal de Rotenburg”, como ficou conhecido, diz ter conhecido a vítima e combinado como tudo seria feito através da internet. Uma investigação da policia levou a uma rede de fóruns de canibalismo escondidos na Deep Web. “Cannibal Cafe”“Guy Cannibals” e “Torturenet” eram páginas usadas pelos canibais para marcar encontros e selecionar vítimas para a prática de canibalismo.

Nesses fóruns encontra-se de tudo, desde fotos e testemunhos de canibais até receitas para o bom preparo da carne humana. Mas o pior, certamente, eram os voluntários. Existem pessoas que se voluntariam para serem comidas, alguns não por completo, apenas certas partes do corpo.

 

Bonecas Sexuais Humanas

O próprio termo já é grotesco e horrendo. Se o tráfico humano para realizar trabalho escravo ou sexual já é repugnante, o que dizer da ideia de transformar seres humanos em bonecas sexuais? Nenhum órgão governamental conseguiu localizar a origem dos Dolls Makers. As informações são escassas e todas as transações monetárias são via Bitcoins, tudo muito sigiloso, não deixando qualquer rasto. Sabe-se porém que não são um ou dois grupos e sim, dezenas deles oferecendo o serviço na Deep Web.

As bonecas sexuais humanas são geralmente crianças entre 8 à 10 anos, compradas a famílias miseráveis em países onde a pobreza extrema atinge a maioria da população. Por centenas de dólares essas crianças são adquiridas pelos Dolls Makers. Em seguida, acreditá-se que são levadas à centros cirúrgicos clandestinos e transformadas em bonecas vivas que não apresentem resistência às perversões sexuais dos seus donos. Seus membros, braços e pernas, são amputados e substituídos por próteses de silicone. As cordas vocais são retiradas e os dentes arrancados e trocados por imitações de borracha. Todo procedimento dura de duas à três semanas e só é iniciado após a boneca ter sido encomendada. O preço varia entre 40 mil dólares à 700 mil dólares, dependendo das exigências feitas. A boneca ainda viria com uma espécie de manual de instruções, explicando como alimentá-la e realizar as demais necessidades básicas humanas para a sobrevivência, já que dependeria do dono para tudo a partir daí. A estimativa de vida seria reduzida, dado que vivem cerca de um ano após o processo de transformação…

O caso que ficou famoso na Surface das bonecas sexuais foi o da Lolita Slave Toys. Um membro anónimo do 4chan, que se auto intitulava hacker,  publicou no fórum o printscreen, o endereço da Onion e a forma de entrar nele. O site era apenas uma imagem, com um texto explicando o que era e como adquirir a sua boneca. Com o aumento significativo do número de visitas, o Dolls Maker chamado de Pussymonster, provavelmente notou que foi descoberto e limpou tudo que era rasto antes que qualquer detetive virtual chegasse ao seu paradeiro.

 

Tortura por encomenda

Existem filmes onde são retratadas cenas de seres humanos, que são sequestrados e posteriormente vendidos para gente com fundo de maneio que querem satisfazer seus desejos de torturarem até a morte outros humanos. Na ficção, como um filme de terror, isso pode ser muito atrativo perante os fãs do gênero, contudo isto é uma realidade do nosso planeta. Poucas pessoas sabem que Eli Roth, o diretor e roteirista de The Hostel (filme onde são retratadas cenas como esta) baseou o filme em casos reais identificados pela polícia de Nova Dehli, India. Depois de intensa investigação a polícia descobriu o que se acredita tratar de um clube secreto, onde ricos e poderosos vinham de todas as partes do mundo com o intuito doentio de realizar seus prazeres demoníacos. Crianças e adolescentes, descendentes de famílias miseráveis que viviam abaixo da linha da extrema pobreza eram vendidos por seus pais e condenados ao terrível destino.

Em países da Ásia, África e Europa Oriental, onde a pobreza impera e as leis e vigilância são poucas, esse tipo de crime é facilitado. Assim como no caso de Nova Dehli, na Tailândia foram descobertos casos semelhantes. Esta rede está altamente camuflada na Deep Web e apenas convidados com uma palavra passe conseguiriam aceder ao conteúdo. Então, os mafiosos responsáveis pela rede detectavam um potencial cliente e investigavam a vida do sujeito. Se ele tinha mesmo dinheiro para arcar com as despesas (acredita-se que fosse na casa dos milhões por pessoa ), os criminosos entravam em contacto com o sádico e ofereciam o serviço. Após a confirmação de compra, o cliente em causa recebia uma senha e um download de um software que permitia a descodificação da página, dando acesso às informações e também, possibilitando que o mesmo escolhesse a sua vítima.

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado